Sobre vegetarianismo e senso comum

Vegetarianismo é um assunto polêmico. Embora pouco discutido, gera estresse e brigas por apenas um motivo: falta de informação de ambas as partes. Nesse post, espero esclarecer todas as minhas opiniões sobre esse assunto, o qual sou questionada diariamente.

A carne foi essencial para o desenvolvimento humano. Durante séculos, seu valor nutritivo melhorou a saúde da população. Atualmente, sua necessidade na alimentação está decaindo. É possível viver ingerindo proteínas de origem vegetal. Embora existam algumas pessoas cujo tipo sanguíneo necessite de mais proteínas e ferro, encontrados em abundância na carne vermelha, não é necessário consumir alimentos de origem animal todos os dias.

Há tempos, a carne deixou de ser um alimento realmente necessário e tornou-se puro prazer alimentício. A própria pirâmide alimentar nos mostra essa realidade, embora ignorada por muitos.

piramide-alimentar-antiga

Como a pirâmide nos mostra, a base alimentar é formada por carboidratos. Em segundo lugar, as frutas e verduras. Observando essa pirâmide, me pergunto porque pessoas com uma alimentação totalmente desregrada, rica em carnes vermelhas, gordura saturada e pobre em hortaliças, se acham no direito de cagar regra para mim e dizerem que eu deveria comer carne porque “é saudável”.

A desinformação e o senso comum prejudicam e muito o desenvolvimento humano em diversas áreas do conhecimento, isso é fato. Discute-se muito sobre “vegetarianos chatos que tentam convencer as pessoas a não comerem carne”. Mas o contrário parece ser completamente normal e aceitável pela sociedade! Muitas vezes, recusei algum alimento ou comprei alguma comida diferente perto de pessoas cuja dieta é onívora. Fui acusada de tentar convencer as pessoas a pararem de comer o que querem sem nem abrir a boca. Tive de ouvir inúmeras piadas de mau gosto e carregadas de carnificina verbal. Acho que posso me considerar privilegiada, porque muitas pessoas chegam a ser sabotadas. Existem pessoas cruéis o suficiente para prepararem algum alimento com carne e servirem para uma pessoa sem que ela saiba, ou então assarem um “churrasquinho” na festa surpresa. É uma atitude ofensiva e carregada de preconceitos.

Existem pessoas que dizem que o vegetarianismo é “falta do que fazer”, coisa de quem tem dinheiro e é mimada, não sabe o que é passar fome, etc. Certamente, se eu passasse fome, teria de comer animais. Mas a evolução me concedeu um cérebro, e graças a ele, me recuso a financiar um assassinato em série. Não se trata de matar um animal ou outro. Faz parte da cadeia alimentar. Mas a indústria da pecuária deixou de ser parte da cadeia alimentar, tornou-se um negócio nojento e explorador dos direitos dos animais E humanos. “Mas Carol, você está matando plantas”. Já ouvi essa anencefalia inúmeras vezes. O que você prefere: arrancar uma maçã de uma árvore ou a cabeça de um boi? A maçã não tem uma família, não sente dor, não vai jorrar litros de sangue. É ainda pior ouvir alguma dessas coisas de uma pessoa que cuida de animais de estimação e diz amar os animais. Por que as pessoas acham horrendo e inescrupuloso alguns países asiáticos que comem cachorro, mas fazem pouco caso para os bois, frangos e porcos diariamente abatidos e servidos na mesa do brasileiro?

Às pessoas que comem carne, seja por necessidade ou simplesmente por hábito, mas são capazes de respeitar a minha decisão: vocês têm todo o meu apoio, independente da dieta que adotam.

Comments

comments

Carolina Haine

24 anos, brasiliense, apaixonada por literatura e chá. Criou um blog em 2004 e desde então nunca mais parou.

Este post tem 4 comentários

  1. LTerassi

    Fui abençoado por um paladar que não curte carne, como pouco e raramente.

    1. Carne também não agrada muito ao meu paladar. Só peixe, para ser sincera.

  2. Moacir Lopes dos Santos

    Reflexões sobre a blogosfera.
    Eu por exemplo já te conheço a um tempo. Quando você diz que quase cursou design eu fico pensando, perdemos uma boa designer, mas ganhamos uma ótima literata e isso compensa.

    1. Penso que eu não seria uma designer tão boa assim, mas fico feliz com o comentário.

Deixe uma resposta